sábado, 21 de abril de 2018

Eu gosto de você

|| || Nenhum comentário

Eu gosto quando vamos ao Maza, você senta ao meu lado e começamos a conversar sobre coisas pessoais, porque é nesse momento que eu te conheço verdadeiramente, conheço seu lado inseguro, romântico e cavalheiro. Eu gosto quando você me diz como se sente, o que pensa, o que sonha, o que quer alcançar, porque é nesse momento que me sinto mais ligada a você, é nesse momento que sinto que temos uma conexão que pode se transformar em algo mais.

Eu gosto quando você me olha e dá um daqueles seus sorrisos lindos que me derretem inteira.

Eu gosto quando me toca, por mais despretensioso que seja o toque. Eu gosto da sensação.

Eu gosto quando você fala "Bento", "copo de água", "de manhã", "de tarde", porque são nessas palavras que seu sotaque fica ainda mais evidente e eu me encanto toda.

Eu gosto de te conhecer melhor e ir descobrindo quem você é através das nossas conversas. Jamais imaginaria que você tem vergonha de chegar nas garotas, que pensa muito antes de falar porque tem medo de parecer bobo, e que é inseguro.

Cada dia mais eu me apaixono por você e isso acaba comigo, porque dói MUITO te imaginar de gracinha com outra pessoa, dói muito te imaginar beijando outra boca, dói muito te imaginar abraçando outra pessoa.

Desculpa ter surtado e ter sido grossa com você, é só que eu gosto de você e não sei lidar com esse sentimento.


| 7 de abril de 2018 |

quarta-feira, 18 de abril de 2018

5 coisas íntimas sobre mim

|| || Nenhum comentário

1. Eu não gosto de ir ao cinema, sempre acabo dormindo.

2. Só têm 2 coisas que me fazem chorar: rir demais e meu pai (choro de raiva). Eu não choro por nada, não consigo, mas quando eu rio demais ou meu pai briga comigo, choro.

3. Meus sentimentos são expressados (essa palavra existe?) no meu corpo. Tipo, eu sinto com o corpo e não com o coração. Se eu estou com saudade de alguém, fico doente. Se eu brigo com alguém, fico doente. Seu eu estou com raiva de alguém, choro. É assim que funciona comigo

4. Eu odeio rotinas, porque eu acostumo a fazer sempre a mesma coisa, a estar sempre com as mesmas pessoas, e quando isso acaba, eu sofro muito. Odeio quando as pessoas que eu gosto saem da minha vida.

5. Eu não consigo gostar de ninguém por muito tempo, amorosamente falando. Eu começo sempre muito eufórica com uma paixão nova, mas meu coração tem um prazo de 3 dias. Assim como do nada eu me apaixono, do nada eu perco o encanto, e isso sempre acontece no prazo de 3 dias. Não sei o que acontece, mas eu simplesmente perco o interesse. Até hoje só 1 pessoa conseguiu me manter interessada por mais de 3 dias (e já são 4 anos de paixão ainda não totalmente superada).

domingo, 15 de abril de 2018

Eu sou uma piranha hipócrita

|| || Nenhum comentário

Eu sempre critiquei essas pessoas que ficam pulando de relacionamento em relacionamento e eu acabei de perceber o tanto que eu sou hipócrita.

De 2013 pra cá 14 caras já passaram pela minha vida (MN, MB, RP, GZ, RL, GM, GB, M, PP, DP, GK, EK, JPV e agora o JM) e deixaram uma marca de alguma forma.

Eu estou muito chocada com a quantidade e com a minha hipocrisia. Eu sou uma piranha hipócrita.

Vale lembrar que desses 14, só gostei de verdade de 2 (RL e GK), 1 era relação de amor e ódio (MB) e o último, JM, é o atual. Como as coisas estão acontecendo ainda, acho cedo para falar o que estou sentindo. Os outros 10 foi só coisa de momento.

Mas é aquilo, um escritor sente muito e ele precisa se sentir vivo para poder escrever. Ele precisa sentir e viver intensamente as coisas para poder escrever, porque a inspiração vem daí. É nesses momentos que estamos no ápice dos nossos sentimentos, que surgem nossas melhores obras.

Eu vivo de amores e de momentos e cada um desses caras representa um momento da minha vida - seja ele bom ou não.



| 23 de março de 2018 |

quinta-feira, 12 de abril de 2018

Objetivo de vida: ter fotos assim - Taj Mahal, Índia

|| || Nenhum comentário
Instagram: @leslypglez
Desde que me conheço por gente sonho em conhecer a Índia, um país com uma cultura e realidade tão diferente da minha. Imagino que conhecer a Índia deve ser transformador, por causa do choque de cultura, você deve se questionar muito sobre tudo na vida.

Enquanto não conheço a Índia, resta a mim salvar fotos referências de poses e ângulos para eu reproduzir quando for para lá (assim como eu faço com todos os destinos que sonho em conhecer).

Instagram: @winderssonnunes / @luisasonza / @
Instagram: @raul
Instagram: @beleboni
É isso. Espero tê-los inspirado com as minhas inspirações!

segunda-feira, 9 de abril de 2018

A nossa história de amor. As coisas aconteceram e eu simplesmente não tenho mais controle.

|| || Nenhum comentário

Nosso 1º contato foi no corredor da nossa sala, na faculdade. Você estava encostado nos armários pretos que tem no corredor e eu estava de frente para você, encostada na parede do outro lado. Estávamos no prédio 30.

Você chamou a minha atenção logo de cara, quando bati o olho em você. A única coisa que eu não gostei foi o fato de você ser baixinho, mas fora isso, eu tinha gostado de absolutamente tudo em você - o cabelo meio loiro, meio castanho, a barba cheia, o rosto lindo.

Os dias passaram e eu vi que você sequer me olhava, o que me fez desistir de você, e logo em seguida uma outra pessoa apareceu na minha vida.

Eu te deixei de lado e segui com outra pessoa, mas aí, em uma segunda-feira, o cara lá de cima mexeu os pauzinhos dele e tudo mudou. Pela 1ª vez conversamos. Conversamos por horas. Eu ouvi o seu sotaque lindo e descobri que moramos no mesmo bairro. Eu te vi não tirar os olhos de mim. Eu te vi sorrir bobo com as coisas aleatórias que eu falava. Eu te ouvi falar todo encantado que era muito bonitinho me ver brava. Eu vivenciei o seu cavalheirismo. Eu fui o motivo do seu sorriso.

E durante todos esses acontecimentos, enquanto o meu coração sorria, a minha consciência me lembrava da outra pessoa que está na minha vida e eu me sentia mal por estar sentindo todos aqueles sentimentos por você.

"Em que merda eu me meti", eu pensava.

Não era justo com a outra pessoa, mas também não era justo comigo me privar de ter sentimentos que podiam ser recíprocos. As coisas aconteceram e eu simplesmente não tenho mais controle.

Sabe na quarta-feira quando nós saímos? Então, todos os meninos que estavam lá eram só uma desculpa para eu te chamar para sair e as coisas não parecerem estranhas.

Sabe quando você veio até mim, abriu o GPS no seu celular e procuramos a rua que morávamos, para ver se morávamos perto um do outro? Então, naquele momento eu soube que tudo mudaria, que nada mais seria como antes.

Sabe quando perguntei se você não queria dividir o Uber comigo porque morávamos perto? Então, foi só uma desculpa para eu ficar mais tempo perto de você.

Sabe quando você fala alguma coisa para mim e eu nunca escuto? Então, é só uma tática que eu uso para você chegar mais perto de mim e falar no seu ouvido. Eu adoro ouvir a sua voz e o seu sotaque.

Então vem, chega bem perto de mim, diz que gosta de mim, diz que vai ficar e fica. Vem fazer e ser a diferença na minha vida. Vem ser o meu amor, que eu prometo ser o seu amor. Só seu.


| 29 de março de 2018 |

sexta-feira, 6 de abril de 2018

#DiárioDaFaculdade: como andam as coisas - faculdade e adaptação à cidade nova #24

|| || Nenhum comentário

Tem um bom tempo que não escrevo aqui como eu estou me sentindo em relação à faculdade, tudo o que eu venho escrevendo é textos sobre sentimentos, então hoje eu vou escrever o que se passa na minha vida universitária e na adaptação a cidade nova.


Faculdade. Na 1ª semana eu fiquei bem decepcionada e bem frustrada por não ter gostado de aula nenhuma, porém agora, com o passar do tempo, eu já gosto de tudo. Não tem nenhuma aula que eu não goste, pelo contrário, estou sabendo aproveitar cada aula que tenho.

Não sei o que mudou nesse tempo, mas agora eu gosto do curso, adoro as coisas que tenho que fazer, para ser sincera. Não tenho mais decepção ou vontade de desistir (eu não desistiria mesmo se estivesse odiando o curso, isso eu já tinha falado). Talvez eu dei uma chance para o curso e tudo mudou.


Sobre meus colegas. Essa semana que tive a oportunidade de conversar melhor com alguns colegas e adorei essa interação, porque desde o princípio o que mais me chateava na minha sala era que ninguém falava com ninguém. A sala é um silêncio total, nem a respiração dos colegas nós escutamos, então essa interação entre os colegas me deixa muito feliz (e eu tenho que falar que isso vem acontecendo por causa de mim, porque eu estou conversando com a galera e fazendo de tudo para tentar unir a sala).


Sobre Porto Alegre. Eu estou amando essa cidade de uma maneira que nunca pensei que fosse acontecer. Lógico que não se compara ao meu amor por São Paulo, mas Porto Alegre tem me ganhado pelo seu povo.

Eu achava que eu tinha sido bem recebida e acolhida em São Paulo, mas aqui em Porto Alegre eu vejo a diferença, vejo como o povo daqui é 1 milhão de vezes mais receptivo que São Paulo. Não é querer falar mal de SP, jamais, amo aquela cidade com todo o meu coração, mas a diferença de receptividade é muito grande. Eu só me deparei com pessoas boas e receptivas em São Paulo, o cara lá de cima foi muito bom comigo nesse sentindo, ele só colocou pessoas incríveis na minha vida, mas quando vejo como as pessoas daqui de Porto Alegre me tratam, chega a dar um pouco de vergonha de SP.

Lá em SP eu sentia que a cidade era a minha casa, mas eu não me sentia à vontade no meu grupo de amigas. Tirando uma amiga, eu não me sentia querida, eu não sentia que fazia parte daquilo, era como se eu fosse uma peça sobrando, e isso nunca tinha acontecido comigo; eu sempre fui a estrela do grupo, sempre fui a ditadora de regras, a pessoa invejada e imitada, e lá eu me sentia excluída (volto a dizer, tirando uma amiga).

Aqui em Porto Alegre não, eu já sinto que as pessoas que eu conheci na faculdade são a minha família. É tudo tão diferente de SP, eu sinto que existe um carinho da parte de todo mundo, sinto que eles gostam de mim, que eles querem estar comigo, que eles querem ser meus amigos, e sinto que posso contar com eles para tudo que eles vão me ajudar.

O povo daqui faz de tudo para eu me sentir bem, para eu gostar daqui e isso é uma coisa linda, que me surpreendeu muito e me fez ver os gaúchos de outra forma, de uma forma positiva.


Sobre morar sozinha. Está sendo tudo muito tranquilo. Não estou triste, não estou me sentindo sozinha, não estou enlouquecendo. Pelo contrário, estou me sentindo ótima, tranquila, confortável e feliz. Isso se deve à 2 coisas: 1) faculdade. Como eu passo tarde e noite na faculdade, passo "os piores momentos", no quesito solidão, na faculdade, com meus amigos e meus colegas, só observando os crushs da vida e sendo feliz. Na faculdade eu me distraio, então não tenho tempo para me sentir sozinha ou sentir saudade de alguém. E a 2ª coisa) é a minha vida de uma forma geral. Como na faculdade está acontecendo muitas coisas que agitam a minha vida pessoal, eu fico muito feliz, aí volto para casa muito feliz, na minha bolha de felicidade, então os problemas simplesmente não existem porque eu estou muito eufórica ou flutuante com todas as coisas noas e inaceitáveis que acontecem.


Bom, é isso que vem acontecendo na minha vida. Conforme forem surgindo tópicos novos para a categoria #DiárioDaFaculdade, atualizo aqui.

terça-feira, 3 de abril de 2018

[DESABAFO] Parem de pressionar as pessoas para namorarem!

|| || Nenhum comentário

Eu vejo as pessoas fazendo muita pressão nos outros com relação a namoro e isso me irrita/incomoda. Gente, calma, cada pessoa tem o seu tempo.

Para umas pessoas namoro é um passo muito grande, para outras é uma coisa natural. Respeitem a vontade e o tempo de cada um.

Tem gente que acha legal ficar pulando de namoro em namoro. Tem gente que odeia isso e prefere namorar uma pessoa só a vida inteira.

Tem pessoas mais carentes que se relacionam com qualquer pessoa só para não ficar sozinho, e tem pessoas que não perdem tempo com qualquer pessoa, preferem esperar AQUELA pessoa.

Cada um é cada um. Parem de pressionar as pessoas e cobrarem que elas namorem. Parem também de fazer piadinha sobre "encalhado" também. Se a pessoa optou por ficar sozinha, o problema é inteiramente dela, ninguém tem nada a ver com isso.


| 12 de março de 2018 |