sexta-feira, 20 de outubro de 2017

[MELHOR LINK DA SEMANA] 21 pessoas contam em que momento perceberam que eram negras

|| || Nenhum comentário


21 pessoas contam em que momento perceberam que eram negras

"Aos 5 anos, quando ouvi: 'não brinque com eles. Eles são pretos.'"
publicado 

NOTAS DA BLOGUEIRA: Eu só queria deixar registrado aqui como esse post me deixou mal. Se eu, que não compartilho dessa realidade, chorei lendo os relatos, imagina o que isso não significa para quem convive com essa realidade. As pessoas são muito cruéis. Temos que acabar com esse preconceito. Se você vir alguém sendo preconceituoso com quem for que seja, não finja que não viu, enfrente a pessoa, não deixe isso acontecer; só assim conseguiremos acabar com o preconceito, ou pelo menos impedir que ele seja tratado como aceitável.


| Post escrito por Aline Ramos, colunista do BuzzFeed. Para ver o post original, clique aqui ou copie esse link -> https://www.buzzfeed.com/ramosaline/pessoas-contam-em-que-momento-perceberam-que-eram-negras?utm_term=.fbjB3Rx5A#.ljbe0R7jp <-

terça-feira, 17 de outubro de 2017

#DiárioDoSilicone: ninguém me falou que o pós-cirúrgico doía tanto + como foram as 3 primeiras semanas #2

|| || Nenhum comentário

No dia 25 de setembro fiz a minha cirurgia para colocar silicone e a primeira semana do pós-cirúrgico foi HORRÍVEL, doía demais, demais, demais. Ninguém me falou que doía tanto assim.

Nos 3 primeiros dias eu pedia para morrer (não literalmente, isso é uma expressão) de tanta dor que sentia e ficava pensando "por que fui inventar de fazer essa cirurgia?". Eu, literalmente, vivi a base de remédio porque não aguentava de tanta dor. Eu juro que se não fossem os remédios, não sei como teria vivido essa semana, porque a dor era muito intensa e não parava.

Durante essa semana, a minha fuga da dor era dormir. Eu dormia para o tempo passar rápido e a intensidade da dor diminuir, porque quanto mais tempo passa, menos doí. Eu rezava para as semanas passarem logo, porque não via a hora da dor acabar.

Deitar, sentar, levantar, colocar sutiã, tirar sutiã, tomar banho, escovar os dentes, rir, tudo doía.

Na hora de tomar banho, eu tinha que tirar o sutiã e doía MUITO quando tirava, porque o sutiã pressionava horrores os peitos e quando eu tirava, eles ficavam "livres" e doía demais. Eu basicamente não sabia se doía mais usar ou tirar o sutiã.

A partir do 5º dia eu já fiquei bem, não sentia mais dor e não ficava dormindo o dia inteiro para não sentir dor. Eu ainda tomava remédio e não podia fazer nada (não pode mexer o braço), mas já conseguia conversar.



| COMO FORAM AS 3 PRIMEIRAS SEMANAS


1ª semana:
repouso total, ficava o tempo todo deitada;
dor insuportável;
eu vivi a base de remédio porque a dor era muita intensa;
não podia mexer o braço, então minha mãe me dava banho, dava comida e bebida na boca;
nos 3 primeiros dias não pode tomar banho, só pode lavar a parte íntima;
banho completo (lavar o corpo e o cabelo) só pode depois do 4º dia;
o sutiã pós-cirúrgico aperta muito o peito e por isso dói;
porém também dói muito ficar sem sutiã;
não coloca roupa, usava um hobby;
precisava de ajuda para levantar;
tinha que dormir com uma almofada e de barriga para cima;
dormia meio sentada porque era a única posição confortável. Deitar é impossível porque os peitos fazem muita pressão e dá falta de ar;
não recomendo fazer a cirugia porque dói demais. Não acho que vale a pena sofrer tanto por causa de estética. Só faz se você realmente fizer MUITA questão e estiver disposta a sentir tanta dor.


2ª semana: 
não tomava mais remédio;
não sentia mais dor nenhuma;
ainda não podia mexer o braço;
tirar e colocar o sutiã pós-cirúrgico não doía mais;
já tomava banho completo (minha mãe que ainda me dava banho);
ainda não usava roupa porque eu só ficava em casa e não queria sofrer para colocar a blusa (porque não posso levantar o braço);
tirei os pontos (3 de cada peito);
a médica liberou o uso do sutiã pós-cirúrgico em casa, por ver que minha recuperação foi ótima e meus peitos não corriam risco de danificar, mas se eu fosse sair, teria que usar;
fiquei com um curativo no corte por 5 dias, depois disso, não usei mais curativo e comecei a passar uma pomada no corte;
ainda tinha que ficar em repouso total;
ainda precisava de ajuda para levantar, mas eu já levantava com maior facilidade;
ainda precisava dormir com a almofada e de barriga para cima;
passei a dormir em uma posição um pouco mais inclinada, não tão sentada, mas ainda sem conseguir dormir deitada por causa da pressão que os peitos faziam;
hoje eu já mudei minha opinião, já recomendo fazer a cirurgia porque você só sente dor na 1ª semana, mas preciso lembrar como a dor é MUITO intensa.


 semana:
semana super tranquila;
não voltei a sentia dor;
não voltei a usar remédio;
a médica liberou mexer os braços para o lado (abrir e cruzar), contando que eu não forçasse, não levantasse o braço e não pegasse peso;
passei a usar roupa;
voltei à frequentar a faculdade;
fui liberada oficialmente do sutiã pós-cirúrgico e passei a usar sutiã normal (para ir modelando os peitos);
minha mãe ainda me dava banho;
comecei a escovar os dentes e comer sozinha;
ainda usava pomada no corte;
não precisava mais de ajuda para levantar;
passei a dormir sozinha no meu quarto (nas 2 primeiras semanas eu dormia no quarto dos meus pais com a minha mãe ao meu lado, para caso eu precisasse de alguma coisa durante a noite);
ainda dormia de barriga para cima e com uma almofada, mas com uma inclinação bem menor, quase deitada já;
mantive minha opinião da semana passada. Recomendo a cirurgia contando que você esteja disposto a passar por toda a dor.


Essa foi a minha experiência até aqui. Conforme o tempo for passando e mais coisas sobre a cirurgia forem surgindo, atualizo aqui no blog, então fiquem de olho no blog e/ou procurem na categoria "Diário do silicone".

sábado, 14 de outubro de 2017

Artista cria releitura de quadros Renascentistas famosos retratando os personagens como mulheres negras

|| || Nenhum comentário

Harmonia Rosales é uma pintora estadunidense, neta de cubanos, que vem ganhando notoriedade por fazer releituras de famosos quadros Renascentistas retratando os personagens como mulheres negras.

Procurada pelo site BuzzFeed, Rosales disse que acredita que seus pais tenham despertado seu interesse pelas artes.

"Crianças imitam seus pais e meus pais foram ótimos modelos. Lembro de minha mãe debruçada sobre sua mesa, produzindo uma ilustração atrás da outra. Eu costumava rastejar debaixo da mesa da minha mãe e seguir seus movimentos, suas pinceladas, suas ideias, suas ilustrações. Ela me deixava experimentar todas as suas tintas e pincéis, sem nunca me dizer o que ou como pintar, me deixando encontrar meu próprio estilo."


Baseado na obra "A criação de Adão", de Michelangelo, que está na Capela Sistina, Rosales fez o quadro "A criação de Deus", que teve sua imagem tornando-se viral nos Estados Unidos.

"Eu quis pegar uma pintura significativa, uma que fosse amplamente reconhecida e que subconscientemente ou conscientemente nos condicionasse a ver figuras masculinas brancas como poderosas e autoritárias. E eu quis inverter o roteiro, estabelecer uma contra-narrativa", disse ao BuzzFeed News, explicando o porquê decidiu recriar obras famosas com mulheres negras.

"Figuras brancas são um elemento básico na arte clássica apresentada nos museus. São os "mestres" das obras-primas. Por que isso deveria continuar? Substituir as figuras masculinas brancas, as mais representadas, por pessoas que, a meu ver, foram menos representadas, pode começar a recondicionar nossas mentes a aceitar novos conceitos de valor humano."


"Temos sido sub-representadas e deturpadas por tanto tempo que sinto que devo pintar para nos empoderar. Precisamos que nossa juventude veja imagens poderosas. Quero que minha filha cresça orgulhosa de seus cachos, de sua pele morena, e que ela se identifique como uma mulher negra, uma mulher de valor. O que faço com minha arte contribui para a maneira como ela e todas as outras meninas como ela se reconhecerão", disse a artista autodidata ao ser perguntada o que faz com que ela seja apaixonada pelo seu trabalho.

Para comprar as telas de Rosales, basta entrar no site dela (harmoniarosales.com).


| Fonte: BuzzFeed

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

#DiárioDoSilicone: 1ª consulta com a médica, quanto custa colocar silicone e como foi a cirurgia #1

|| || Nenhum comentário

7 de fevereiro de 2017.

     Hoje tive minha primeira consulta com a médica que vai fazer a minha cirurgia de implante de prótese de silicone. Basicamente conversamos sobre como funciona a cirurgia e a recuperação (3 meses de recuperação, não posso pegar peso, só posso dormir de barriga pra cima) e eu e meus pais tiramos todas as nossas dúvidas.
     Além disso, a médica me fez algumas perguntas para anotar na minha ficha, perguntas do tipo: "bebe bebida alcoólica?", "toma algum remédio?", "tem algum queloide?".
     Depois ela examinou meus seios, viu o tamanho e conversamos sobre o tamanho que eu gostaria que meus seios ficassem depois da cirurgia. Vi alguns moldes e, junto com a médica, cheguei ao tamanho ideal (260 ml).


VALORES

     O par de silicone de 260 ml custa 2 mil reais, o custo do hospital varia entre 1.800 à 2.500 reais, o anestesista cobra 1.200 reais pelo seu serviço e a médica cirurgiã plástica cobra 3.300 reias pelo serviço. No total fica +\- 9 mil reais (colocando que o hospital custa 2.500 reais).

*É importante dizer que os valores foram mais baixos por eu ser filha de médico (médicos costumam fazer desconto para familiares de médicos), se não fosse por isso, a cirurgia seria o dobro (em torno de 18 mil reais).


     Depois dessa primeira consulta, voltei ao consultório da médica em julho para confirmar que eu faria a cirurgia e já marcar a data (a princípio, seria dia 6 de dezembro, mas as coisas mudaram e antecipei para dia 25 de setembro). A prótese ficou combinada que seria 260ml.
     Nessa consulta, também, eu e meus pais tiramos todas as dúvidas que nos deixavam inseguros e a médica tirou todas as dúvidas. A médica passou muita segurança, o que tranquilizou muito a mim e meus pais, porque nosso grande medo era pegar um profissional incompetente.
     E ah, acho importante dizer que esse "tira dúvidas" foi feito na primeira consulta também, então nessa segunda consulta as dúvidas eram diferentes.
   

     Em agosto, voltei ao consultório da médica para adiantar a data da cirurgia e conversar sobre a prótese, porque eu estava achando que 260ml ficaria pequeno. Eu e a médica conversamos muito e chegamos a conclusão que 310ml seria o tamanho que atenderia aos meus desejos (peitos grandes, mas proporcionais ao meu corpo).
     Como o tamanho da prótese aumentou, o valor aumentou também para 2.500 reais.
     A partir daí começou a corrida contra o tempo. Em +/- 1 mês eu faria a cirurgia e nesse meio tempo eu teria que fazer todos os exames, a médica teria que olhar os resultados, ver que estava tudo certo e, de fato, confirmar a cirurgia.
     Apesar de parecer pouquíssimo tempo, e de fato é, deu tempo para fazer tudo e deu tudo certo, meus exames estavam todos ok e a médica confirmou a cirurgia.

Exames que a médica pediu: exame de sangue (para ver as plaquetas), exame com cardiologista (para ver se estava tudo ok com meu coração) e ultrassom da mama (para ver se não tinha nenhum nódulo).

O que tive que comprar antes da cirurgia: 2 sutiãs específicos para eu usar no pós-cirúrgico.


COMO FOI A CIRURGIA


     A cirurgia foi bem tranquila, pelo que falaram, eu não lembro de nada porque fui sedada para dormir durante a cirurgia (e eu acho ótimo não ter visto, porque eu poderia ficar ansiosa e/ou angustiada por estar demorando).
     A anestesia foi geral (existe anestesia geral e anestesia local, a geral tem o efeito mais "forte" e prolongado) e o efeito dela só acabou no dia seguinte à cirurgia, que foi quando eu passei a sentir dor, mas como eu tomava vários remédios durante o dia, a dor passava (eram remédios muito fortes).
     Nesse primeiro dia que eu fiquei internada no hospital, eu praticamente só dormi por causa do efeito da anestesia. No dia seguinte à cirurgia, dia 26, recebi alta e pude ir para casa.
     O caminho até a minha casa foi um pesadelo. Eu sentia  t o d o s  os buracos e irregularidades do asfalto da cidade, coisa que eu não percebia antes de ter operado.
     Em casa, foi quando começou a minha maior batalha nessa cirurgia, mas isso é assunto para o próximo post.

Esse foi o primeiro post da série #DiárioDoSilicone, o próximo será sobre a dor e como foram as duas primeiras semanas após a cirurgia. Se tiverem dúvidas, deixem nos comentários que respondo todos. 

domingo, 8 de outubro de 2017

[MELHOR LINK DA SEMANA] 13 provas de que os negros estão vendo racismo em tudo

|| || Nenhum comentário

13 provas de que os negros estão vendo racismo em tudo

Porque aparentemente ele está em todas as coisas mesmo.
publicado